Atenção com a síndrome da Barbie

No dia 09 de Março de 2019 a boneca Barbie completou 59 anos de existência.

É a boneca mais vendida no mundo, com a impressionante marca de um bilhão de bonecas vendidas. As feições e medidas exageradamente “perfeitas” da boneca ajudaram a criar um estereótipo de “Barbie a mulher perfeita”. Em Cirurgia Plástica e em Psicologia síndrome de Barbie significa a vontade de personificar uma boneca “linda e perfeita” como a Barbie, ou uma cantora, atriz ou modelo famosa. Dessa forma, as mulheres com Síndrome de Barbie procuram incessantemente cirurgiões plásticos, dermatologistas, nutrólogos, cabeleireiros para transfigurar-se em algo que imaginam ser o ideal. Fazendo retoques e mais retoques, buscando infinitamente uma figura que não é a dela mesma. Os produtos usados para preenchimento ajudaram de forma dramática a evolução desta síndrome. A facilidade que os preenchedores fazem modificações no rosto pode resultar em um resultado lastimável. Lábios exageradamente grossos, como os de um pato, sobrancelhas muito altas, com cara de assombro ou bochechas com aparência de “Kiko”, são modificações tão grotescas e bizarras que muitas vezes são tidas como absolutamente deformantes. E o que é pior, em alguns casos sem chance de voltar atrás. A cirurgia plástica deve oferecer a normalidade e harmonia de linhas. Modelar um nariz grande, um seio caído ou uma papada deve fazer parte de uma busca da normalidade, de traços mais amenos e harmoniosos, e da manutenção do frescor da juventude sem exageros. O que a cirurgia plástica deve oferecer é a beleza com naturalidade. Modificações exageradas da própria fisionomia, em busca do que a pessoa não é, em um devaneio incessante, devem ser evitadas e cabe ao profissional frear e esclarecer a pessoa do erro que está cometendo. Por isto atenção, mesmo que você não sofra de Síndrome de Barbie evite excessos de preenchimentos e de toxina botulínica. Você sem perceber pode estar ficando com a cara da Barbie. Portanto atenção ao que você está tentando fazer!