Silicone, implante mamário ou mamoplastia de aumento

Home »  Uncategorized »  Silicone, implante mamário ou mamoplastia de aumento

On maio 2, 2017, Posted by , In Uncategorized, With No Comments

 silicone O implante de silicone é um desejo de boa parte das mulheres. Um dos pontos mais delicados da cirurgia de implante de prótese de silicone é o tamanho da prótese a ser escolhida, dependendo de vários aspectos. Primeiro, a paciente deve ter uma conversa aberta com seu cirurgião, que vai tirar todas as dúvidas sobre a cirurgia, avaliará seu tipo físico, psicológico, cicatrização e principalmente a proporcionalidade de suas formas. Segundo, também realizará várias fotos pré-operatórias.

 

O que é implante de silicone nas mamas

A cirurgia de inclusão de implante de silicone, também conhecida como mamoplastia de aumento, é um procedimento cirúrgico que  objetiva aumentar o volume das mamas e proporcionar um melhor contorno, firmeza e simetria para os seios através da inclusão de prótese de silicone.

Para quem é indicada

A indicação desta cirurgia é  para pacientes que desejam aumentar o tamanho das mamas. O implante de silicone também é recomendado para casos em que o comprometimento da sustentação e firmeza das mamas aconteceu, como as mulheres cuja perda de peso ou gravidez alteraram o formato dos seios. Mulheres que tenham assimetria entre as mamas também podem ter benefícios com esta cirurgia.

Pré-requisitos para a cirurgia

Para a realização da cirurgia nas mamas são necessários alguns pré-requisitos:

– Não há  restrição de idade mínima para realizar a cirurgia, apenas quando a paciente for jovem, o desenvolvimento das suas mamas deve estar completo. Elas podem ser liberadas pelo ginecologista para realizar a cirurgia e ter o apoio dos pais ou representantes legais;

– A paciente deve ter maturidade emocional e possuir um claro entendimento dos motivos que a levaram a procurar pela cirurgia. É importante estar segura da sua decisão;

– As expectativas devem ser realistas: o procedimento pode melhorar significativamente a sua aparência.

 

O pré-operatório

Na consulta com o seu cirurgião, deve-se levar exames de sangue e de imagem que atestam que você está com uma saúde boa e que pode fazer a cirurgia. Depois disso, recomenda-se não beber e não fumar pelo menos nas duas semanas que antecedem a operação. Veja os exames mais comuns:

· Hemograma
· Teste de coagulação
· Função renal
· HIV
· Eletrocardiograma
· Ultrassom de mamas (mulheres com menos de 35 anos)
· Mamografia (mulheres acima de 35 anos)

Onde é colocado o silicone?

Por baixo da glândula: a prótese é colocada entre o tecido mamário e o músculo peitoral. desta forma, facilita a cirurgia e causa menos dor para a paciente depois da operação. Mas o implante pode ficar aparente se a paciente for muito magra, porque trata – se de  uma região mais superficial, não há pele suficiente para cobrir as bordas da prótese.

Por baixo do músculo: é  uma técnica mais sofisticada. O cirurgião plástico vai precisar chegar até o músculo para alojar a prótese. Como fica instalado de forma mais profunda, o resultado é mais natural, principalmente em mulheres magras. Essa localização também diminui o perigo da contratura capsular, um dos riscos dessa cirurgia e facilita a realização de mamografias.

Onde fica a cicatriz?

Na mama: o corte é feito nos sulcos abaixo das mamas,  facilitando o acesso até o local onde a prótese será colocada.
Na aréola: a cicatriz fica quase imperceptível, posicionada num meio círculo entre a aréola e a pele da mama. Alguns médicos previnem que essa via de acesso é contraindicada para mulheres que ainda não tiveram filhos por dois motivos: o primeiro por não haver sobra de pele na região do mamilo e o segundo por prejudicar as glândulas mamárias numa futura amamentação. Há também a questão da perda parcial da sensibilidade erótica. Os que defendem a técnica, porém, afirmam que nada disso acontece quando corretamente realizada.
Na axila: nenhuma cicatriz na mama é a principal vantagem aqui. O corte é feito nas axilas, local de pouca incidência de queloide. Por outro lado, existe uma linha de pesquisa que acredita que a formação de uma cicatriz nessa área poderia mascarar a identificação do câncer de mama, pois aí se localizam os gânglios sentinelas, primeiras estruturas a dar um sinal da piora da doença. Há, entretanto, bastante discussão sobre o tema já que muitos profissionais não acreditam nesse perigo quando a técnica é bem feita.

O tamanho correto

Essa é uma questão muito subjetiva, só na conversa sobre esse assunto com o seu médico que os dois chegam a uma boa solução , um tamanho ideal.

Mas saiba que a escolha do tamanho leva em conta três variáveis: forma (redonda ou gota), volume (quantidade em mililitros) e projeção (ou seja, a altura da prótese no corpo, que pode ser alta, baixa, moderada ou extra projetada). Portanto, é o cirurgião quem vai saber a melhor combinação para deixar a sua silhueta proporcional.
O médico também precisa prever se a paciente tem tendência a engordar ou planeja uma gestação, o que inviabilizaria uma prótese grande demais.
De qualquer forma, há alguns recursos para não errar. O primeiro é “experimentar” diversas próteses por baixo de um top no consultório. O segundo, durante a cirurgia, o médico simula o resultado final com moldes descartáveis de tamanhos diferentes. Todas essas ferramentas garantem maior satisfação com o resultado final.

O que é contratura capsular?

É natural o organismo reagir à colocação da prótese formando um membrana fibrosa ao redor dela. Mas há casos em que esse tecido fica grosso, endurecendo ou até deformando o implante.

 Sabe-se que, com as texturizadas (com rugas na superfície) e as de poliuretano (uma espuma), o risco da contratura é menor do que quando utiliza-se a prótese lisa. Para tratar a contratura capsular, deve-se retirar o implante e depois colocar outro.

A importância do dreno

Apesar de não ser uma norma, algumas pacientes saem da sala de operação com um dreno. É uma espécie de tubo pequeno colocado no corte que tem a função de excretar secreções. Além de diminuir a ocorrência de contratura capsular, o dreno mantém a área operada seca e limpa, acelerando a recuperação. Ele é retirado dois dias depois da cirurgia. Antes disso, saiba que não dá para tomar banho.

Cuidados pós-operatório

Devemos ficar atentos a alguns contratempos depois da operação. Para garantir o resultado, você vai precisar de calma para retornar à rotina. Mas o tempo de recuperação depende tanto da técnica do médico como do seu organismo. Veja como é a evolução, em média.

· Repouse em casa nos primeiros dois ou três dias.
· Não troque, mexa ou molhe o curativo até o primeiro retorno ao médico. Isso significa banho parcial nos primeiros dias.
· Remove-se o dreno dois ou três dias depois da cirurgia.
· Você pode voltar ao trabalho depois de sete dias.
· Evite lavar o cabelo sozinha na primeira semana.
· Retira-se os pontos de sete a 14 dias após a cirurgia.
· Você deve dormir em decúbito dorsal de sete a 14 dias após a cirurgia.
· Evite levantar os braços acima da linha dos ombros durante duas semanas.
· Não dirija por 20 dias para não haver deslocamento da prótese caso aconteça algum acidente.
· Você pode voltar a andar de bicicleta ou caminhar na esteira após três semanas, contanto que mexa o mínimo possível os braços e o tórax.
· Natação, ioga, tênis ou musculação para membros superiores só ficam liberados depois de dois meses.
· Tomar sol só após três meses da cirurgia com esparadrapo branco em cima das cicatrizes e muito filtro solar. A exposição sem proteção só é permitida depois de um ano. Isso evita cicatrizes grossas e escuras.
· O resultado final aparece entre três e seis meses. Antes disso, não considere definitivos o tamanho e a consistência dos seios, pois eles podem estar inchados.
Estudos sobre: aqui

Deixe uma resposta